Archive for abril \25\UTC 2009

O povo é quem mais ordena

abril 25, 2009

25-de-abril1

A Revolução dos cravos chega aos 35 anos. Certamente muita gente já a esqueceu. Quem viu Portugal antes e depois sabe quanta mudança houve. Vamos comemorar este 25 de abril ou com um cravo na lapela ou cantando Grandola Vila Morena.

Arte e Revolução

abril 25, 2009

cuban-poster-51Tempos revolucionários costumam abrir espaço para manifestações artísticas mais ousadas e originais. Pena que isso não dura muito. Algum tempo depois da revolução, burocratas começam a pontificar sobre formas de comunicação, correção de linguagem, correção ideológica etc. Resultado: expressões “oficiais” de arte, sem inspiração, realisticamente equivocadas etc.

Acabo de ler no twitter do meu amigo Bernie Dodge uma nota sobre posters cubanos dos anos sessenta. As produções da época estavam descoladas da influência soviética e do realismo socialista. As obras são de muita originalidade e criatividade. Conhecemos uma delas, a famosa foto do Che. Outras não tiveram carreira tão longa e universal, mas merecem ser vistas. Copiei duas delas aqui. Para ver a fonte indicada pelo Bernie, uma coleção bastante expressiva dos cartazes cubanos dos anos sessenta, basta clicar no poster abaixo.

cuban-poster-31

Anne Feeney

abril 24, 2009

anne5

Ao ler o post aqui colocado pelo Jarbas Novelino, percebi que estava faltando mencionar a autora da música interpretada por Peter, Paul and Mary: Anne Feeney.

Anne Fenney, cantora, autora e compositora, é uma conhecida intérprete de música folk, considerada hoje nos Estados Unidos como uma das melhores cantoras de folk, na linha dos famosos e memoráveis cantores como Joe Hill, Woody Guthrie, Pete Seeger.

Militante empenhada pelos direitos dos trabalhadores, da paz e da justiça, e originária de Pittsburgh (Pensilvânia), Anne Fenney e signatária do «Manifesto contra o alistamento e o sistema militar».

Na nobre tradição de Malvina Reynolds e Peggy Seeger, os seus espetáculos musicais e as sessões públicas em que participa têm encorajado e estimulado o seu público a resistir à opressão e à injustiça.

A sua canção «Have You Been to Jail for Justice?» ( Estiveste já na prisão por lutares pela justiça?) é, atualmente, uma canção que se ouve com muita frequência nos Estados Unidos em nome da desobediência civil, no sentido que lhe foi dado por Thoreau.

Essas informações foram originalmente publicadas no blog Pimenta Negra

Já foi em cana pela justiça?

abril 23, 2009

Ando navegando muito por informações musicais ultimemente. Por prazer. Com a desculpa de que preciso reunir material para um artigo que vou escrever sobre música e educação. Por razões que explicarei no tal artigo, estou dando preferência a música ao vivo, executada frente a grandes platéias. No caminho, num show em memória de Harold Leventhal, encontrei uma das jóias do repertório de Peter Paul and Mary: Have you been to jail for justice. O que impressiona no trio, além de interpretações inesquecíveis, é a militância política de quase sessenta anos. Sempre à esquerda. Sempre com coragem. Sempre lutando por causas nobres.

PP&M são exemplos de quem “não deixou a chama se apagar” (expressão, aliás, que é título de uma outra canção por eles interpretada). Have you been to jail for justice reflete bem crenças e convicções que justificam a teimosia de manter este blog no ar. Para quem quer ouvir de novo ou ouvir por primeira vez, encaixo aqui o VT da dita canção.

Para melhor apreciação, aqui vai também a letra da música.

Was it Cesar Chavez or Rosa Parks that day?
Some say Dr. King or Ghandi
Set them on their way
No matter who your mentors are
It’s pretty plain to see
That if you’ve been to jail for justice
You’re in good company

Have you been to jail for justice?
I want to shake your hand
‘Cause sitting in and laying down
Are ways to take a stand
Have you sung a song for freedom
Or marched that picket line?
Have you been to jail for justice?
Then you’re a friend of mine

You law abiding citizens
Come listen to this song
Laws are made by people
And people can be wrong
Once unions were against the law
But slavery was fine
Women were denied the vote
While children worked the mine
The more you study history
The less you can deny it
A rotten law stays on the books
‘til folks with guts defy it!

Have you been to jail for justice?
I want to shake your hand
‘Cause sitting in and laying down
Are ways to take a stand
Have you sung a song for freedom
Or marched that picket line?
Have you been to jail for justice?
Then you’re a friend of mine

Well the law is supposed to serve us
And so are the police
When the system fails
It’s up to us to speak our piece
We must be ever vigilant
For justice to prevail
So get courage from your convictions
Let ‘em haul you off to jail!

Have you been to jail for justice?
I want to shake your hand
‘Cause sitting in and laying down
Are ways to take a stand
Have you sung a song for freedom
Or marched that picket line?
Have you been to jail for justice?
Then you’re a friend of mine
Have you been to jail for justice
Have you been to jail for justice
Have you been to jail for justice
Then you’re a friend of mine

Os Beatles por inteiro

abril 13, 2009

 Para os que viveram os anos 60 e também para os que não os viveram, localizamos uma forma fácil de acessar vídeos com a obra completa dos Beatles. Os links que incluímos neste post permitem o acesso, de forma organizada, a todas as músicas e às respectivas letras. Como aperitivo, postamos Because.

Os demais links são incluídos a seguir:
A Day in the Life
A Hard Day’s Night
A Taste of Honey
Across The Universe
Act Naturally
All I’ve got to Do
All My Loving
All Together Now
All You Need Is Love
And I Love Her
And Your Bird Can Sing
Anna (Go To Him)
Another Girl
Any Time At All
Ask Me Why
Baby It’s You
Baby You’re A Rich Man
Baby’s in Black
Back In The USSR
Bad Boy
Because
Being for the Benefit of Mr. Kite!
Birthday
Blackbird
Blue Jay Way
Boys
Can’t Buy Me Love
Carry That Weight
Chains
Come Together
Cry Baby Cry
Day Tripper
Dear Prudence
Devil In Her Heart
Dig A Pony
Dig It
Dizzy Miss Lizzie
Do You Want to Know a Secret
Doctor Robert
Don’t Bother Me
Don’t Let Me Down
Don’t Pass Me By
Drive My Car
Eight Days a Week
Eleanor Rigby
Every Little Thing
Everybody’s Got Something to Hide Except For Me and My Monkey
Everybody’s Trying to be My Baby
Fixing a Hole
Flying (instrumental)
For No One
For You Blue
Free As A Bird
>From Me To You
Get Back
Getting Better
Girl
Glass Onion
Golden Slumbers
Good Day Sunshine
Good Morning, Good Morning
Good Night
Got To Get You Into My Life
Happiness is a Warm Gun
Hello, Goodbye
Help
Helter Skelter
Her Majesty
Here Comes The Sun
Here, There And Everywhere
Hey Bulldog
Hey Jude
Hold Me Tight
Honey Don’t
Honey Pie
I Am the Walrus
I Call Your Name
I Don’t Want to Spoil the Party
I Feel Fine
I Me Mine
I Need You
I Saw Her Standing There
I Should Have Known Better
I Wanna Be Your Man
I Want To Hold Your Hand
I Want To Tell You
I Want You (She’s So Heavy)
I Will
I’ll Be Back
I’ll Cry Instead
I’ll Follow the Sun
I’ll Get You
I’m a Loser
I’m Down
I’m Just Happy to Dance with You
I’m Looking Through You
I’m Only Sleeping
I’m so tired
I’ve Got A Feeling
I’ve Just Seen a Face
If I Fell
If I Needed Someone
In My Life
It Won’t Be Long
It’s All Too Much
It’s Only Love
Julia
Kansas City/Hey, Hey, Hey, Hey
Komm Gib Mir Deine Hand
Lady Madonna
Let it Be
Little Child
Long Tall Sally
Long, Long, Long
Love Me Do
Love You To
Lovely Rita
Lucy in the Sky with Diamonds
Maggie Mae
Magical Mystery Tour
Martha My Dear
Matchbox
Maxwell’s Silver Hammer
Mean Mr. Mustard
Michelle
Misery
Money (That’s What I Want)
Mother Nature’s Son
Mr. Moonlight
No Reply
Norwegian Wood
Not a Second Time
Nowhere Man
Ob-La-Di, Ob-La-Da
Octopus’s Garden
Oh! Darling
Old Brown Shoe
One After 909
Only A Northern Song
P.S. I Love You
Paperback Writer
Penny Lane
Piggies
Please Mister Postman
Please Please Me
Polythene Pam
Rain
Real Love
Revolution 1
Revolution 9
Rock and Roll Music
Rocky Raccoon
Roll Over Beethoven
Run For Your Life
Savoy Truffle
Sexy Sadie
Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band
Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (Reprise)
She Came In Through The Bathroom Window
She Loves You
She Said, She Said
She’s A Woman
She’s Leaving Home
Sie Liebt Dich
Slow Down
Something
Strawberry Fields Forever
Sun King
Taxman
Tell Me What You See
Tell Me Why
Thank You Girl
The Ballad of John And Yoko
The Continuing Story of Bungalow Bill
The End
The Fool On The Hill
The Inner Light
The Long And Winding Road
The Night Before
The Word
There’s A Place
Things We Said Today
Think For Yourself
This Boy
Ticket to Ride
Till There was You
Tomorrow Never Knows
Twist and Shout
Two of Us
Wait
We Can Work It Out
What Goes On
What You’re Doing
When I Get Home
When I’m Sixty-Four
While My Guitar Gently Weeps
Why don’t we do it in the road
Wild Honey Pie
With a Little Help From My Friends
Within You Without You
Words of Love
Yellow Submarine
Yer Blues
Yes It Is
Yesterday
You Can’t Do That
You Know My Name
You Like Me Too Much
You Never Give Me Your Money
You Really Got a Hold on Me
You Won’t See Me
You’re Going to Lose That Girl
You’ve Got to Hide Your Love Away
Your Mother Should Know

The Beatles video from Albums:

Please Please Me
With The Beatles
A Hard Day’s Night
Beatles For Sale
Help!
Rubber Soul
Revolver
Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band
Magical Mystery Tour
The Beatles – White Album
Yellow Submarine
Abbey Road
Let It Be
Past Masters Volume 1
Past Masters Volume 2

Márcio Moreira Alves: uma homenagem

abril 6, 2009

marcio3

O Dia que Não Existiu

O Dia que Não Existiu, produzido pela TV Cultura e TV Câmara, resultado do trabalho de mais de 200 pessoas, “é uma homenagem a todos os brasileiros atingidos pelas medidas de exceção”.

Apresentamos a parte inicial do vídeo( 6 minutos), com o discurso do deputado Marcio Moreira Alves às vésperas do dia sete de setembro, que levou o Ministro da Justiça a solicitar ao Congresso Nacional autorização para processá-lo.

Com direção geral de Paulo Markun e direção artística de Adélia Sampaio, o trabalho, com uma hora de duração, documenta o período que antecedeu ao anúncio oficial do Ato Institucional N° 5, através de imagens e entrevistas históricas.

Resgata, com a participação de atores (Márcio é representado pelo ator Maurício Branco), o que aconteceu no dia 12 de dezembro de 1968, quando a grande maioria da Câmara dos Deputados votou contra o pedido do Ministério da Justiça para processar Marcio Moreira Alves.

Denuncia, ainda, que o dia 12 de dezembro de 1968 quase foi apagado da história da Casa e do país. A sessão não consta do livro de atas das reuniões da Câmara, mas as notas taquigráficas do que ocorreu foram preservadas por funcionários zelosos.

Assista o vídeo, com trecho do filme que reproduz o famoso discurso.
Clique aqui

1969- O ANO EM QUE O SONHO ACABOU

abril 3, 2009

quedalivre1

por Eduardo Sposito

Foi um ano tão triste que nem dá pra fazer piada com a famosa posição. (Até porque a posição que nos lembra o período é aquela do “pau-de-arara”)

Foi um período tão ruim que na década de 80 fui morar numa casa que tinha o número 1969 e sempre me sentia incomodado por isso.

E ruim não era só a situação politica. As artes, a cultura em geral, florescentes até 68, caíram a um nível às vezes insuportável.Só para ilustrar:

A trilha sonora passa a ser cantada por Dom e Ravel. O festival da Canção premia a famosa “BR-3”, que ainda assim lembrava que “a gente corre, a gente morre na BR-3”. Os compositores que não foram calados, nos mandavam aquele “Aquele abraço”. O Chico, de tão censurado, vira Julinho da Adelaide. O seu “Chame o Ladrão!” é o retrato do momento vivido.
” e se depois de um tempo, eu não vindo
veste a roupa de domingo
e pode me esquecer.”
Assim viviamos aquela hora: com medo de que a nossa vez chegasse, só porque algum dia você tinha tomado chopp com alguém que foi preso (conheço casos assim.)

E a expectativa de noticias de alguém que conhecíamos, que fora preso, se estava vivo. Não sabiamos se era aconselhavel visitar alguém que podia estar vigiado.(conheço muitos que cairam assim).
E tem uns caras que chamam isso de ditabranda. E olha que não chegamos a ser presos e torturados. Mas o clima era irrespirável.

Fora isso éramos obrigados a aguentar a propaganda oficial do “Brasil Grande”, do milagre econômico, do “ninguém segura esse país”, do “ame-o ou deixe-o”.

Ainda assim achava-se espaço para um humor amargo.
O”Pasquim” foi recolhido – dizem- porque fez uma charge envolvendo os ditadores de plantão:

quadro 1- um mapa de Brasil personalizado, à beira de um precipício com uma frase do Castello Branco: “Antes de mim o Brasil estava à beira do Abismo”

quadro 2 – o Brasil se movimenta, com uma frase do Costa e Silva: “Comigo o Brasil deu um passo à frente”

quadro 3- o Brasil caindo no abismo, e o Garrastazu perguntando:”Ninguém segura esse País?”

Apesar de colecionar o Pasquim, não cheguei a ver, mas que foi uma boa vingança, foi.

Outra piadinha amarga, ironizando o “ame-o…” era o “Médici ou mude-se”

Nem o futebol sobrou. Depois da substituição do “comunista” João Saldanha pelo Zagalo no comando da Seleção Brasileira, até torcer pelo tri de 70 era meio amargo. Bom, pelo menos serviu de pano de fundo para o sequestro do Embaixador americano.

Nos anos que se seguiram, com o exterminio da guerrilha urbana e da rural, assistimos à debandada dos sobreviventes. Muitos foram para a “sociedade alternativa” do movimento hippie, do sexodrogaserocknroll, do misticismo; muitos se “guardando para quando o carnaval chegar” ou para o “amanhã que vai ser outro dia, apesar de você”(obrigado Chico); outros entrando no sistema para ganhar dinheiro no overnight.

Lembro de uma amiga – agora saudosa – que ao me encontrar de novo nos anos 80, me disse aliviada: “Tinha medo de te encontrar e ver que você também tivesse traído nossos sonhos”

O consolo que tenho é que ainda hoje( em 2009) posso dizer a ela, onde ela estiver: “Ainda não, Lucila!”

Stanislaw Ponte Preta ( Sérgio Porto )

abril 2, 2009

Em 1966 foi publicado o livro FESTIVAL DA BESTEIRA QUE ASSOLA O PAÍS, de Stanislaw Ponte Preta, pseudônimo usado pelo jornalista Sérgio Porto, um mestre da ironia e do humor político e de costumes.

stponpreta

Duas pequenas amostras de seus escritos se referindo à Redentora:

“É difícil ao historiador precisar o dia em que o Festival de Besteira começou a assolar o País. Pouco depois da “redentora”, cocorocas de diversas classes sociais e algumas autoridades que geralmente se dizem “otoridades”, sentindo a oportunidade de aparecer, já que a “redentora”, entre outras coisas, incentivou a política do dedurismo (corruptela de dedo-durismo, isto é, a arte de apontar com o dedo um colega, um vizinho, o próximo enfim, como corrupto ou subversivo — alguns apontavam dois dedos duros, para ambas as coisas), iniciaram essa feia prática, advindo daí cada besteira que eu vou te contar”.

“Enquanto o Marechal Presidente declarava que em hipótese alguma permitiria fosse alterada a ordem democrática por estudantes totalitários, insuflados por comunistas notórios, quem passasse pela Cinelândia no dia 1.º de abril depararia com o prédio da Assembléia Legislativa totalmente cercado por tropas da Polícia Militar.
Na certa, a separação de poderes, prevista na Constituição, passará a ser feita com cordão de isolamento e muita cacetada.”

Para ler mais de e sobre Stanislaw Ponte Preta ( Sérgio Porto )
clique aqui.

Quarenta e cinco anos do Golpe de 1964

abril 1, 2009

012pifpaf

Jaime Valim Mansan*

Há algum tempo, corrigi um colega que então se referia à “comemoração” dos quarenta anos do Golpe de 1964. Observei que se tratava de “rememorar”, não de “comemorar”; ao que o historiador redargüiu-me o contrário, reafirmando seu entendimento inicial.

Dias depois, dei-me conta de que ambos estávamos certos, já que a adequação ou inadequação dos termos varia conforme a perspectiva político-ideológica de seu enunciador e, no caso específico de 1964, de acordo com o entendimento que se tem daquele evento.

Digo isso porque, como se sabe, há uma importante diferença de sentido entre os dois termos, assinalada inclusive em alguns dicionários de língua portuguesa. Embora ambas as palavras se refiram ao ato de relembrar e fazer relembrar, “comemorar” carrega consigo um sentido adicional de celebração. Celebrar é tornar célebre, ou seja, fazer ser amplamente conhecido e reconhecido. É também exaltar, louvar, festejar algo ou alguém.

Assim, importa rememorar que, há quarenta e cinco anos atrás, neste país, o Presidente da República, João Goulart, foi deposto através de um golpe de Estado, promovido por setores militares e civis da sociedade. Oriundos principalmente da classe dominante, instauraram no Brasil um regime ditatorial que vigorou por vinte e um anos.

Naquela época, para quem ousava discordar, as punições eram variadas: perseguição, cassação, expurgo, tortura física e psicológica, prisão, assassinato, “desaparecimento”, dentre outras medidas legais e ilegais. Ultimamente, há quem diga que, apesar disso, a “ditadura à brasileira” não foi tão ruim assim. Eu discordo.

É importante rememorar tais fatos porque, em tempos em que o Velho se traveste de Novo (“nova política”, “novo jeito de governar”) com o objetivo de se perpetuar no poder, os mecanismos de promoção do esquecimento se tornam cada vez mais velados e, por isso, mais eficazes.

A opção entre “comemorar” ou “rememorar” os quarenta e cinco anos do Golpe de 1964 é mais do que simples questão de nomenclatura.

Independentemente do termo escolhido, trata-se de, no presente, abandonarmos a ilusão da imparcialidade para, compreendendo e assumindo uma posição clara em relação a nosso passado, encararmos o futuro de frente.

  • Professor de História e historiador.

(publicado com a autorização do autor)