1964… A Lancha sete

by

Por volta das 8h da manhã, no porto de Registro, ouve-se o apito longo e rouco da Lancha Sete, anunciando sua saída para Iguape. Mineiro, eu já estava a postos há mais de meia hora, ansioso pela partida com destino à Escola de Emergência do Bairro da Lagoa Nova, distante por volta de 25 km de Registro, quase na divisa deste município com o de Iguape: eu, minha mala de couro e um guarda-chuva automático que teimava em abrir sempre que lhe dava na telha. Até a Escola, eram por volta de três horas de viagem, pelas águas calmas e cor de garapa do Rio Ribeira de Iguape. As aulas do antigo curso primário  iniciavam no dia 15 de fevereiro….assim, o mais provável é que o dia daquela viagem foi 13 ou 14 de fevereiro de 1964. 

Havia concluído o Curso de Formação de Professores Primários pelo prestigiado Instituto de Educação Otoniel Mota, em Ribeirão Preto, e o que sabia era que queria, e muito, ser professor primário. Sim, professor primário, disso não tinha dúvidas. E não foi difícil esta opção frente a um emprego nas Casas Pernambucanas, oferecido pelo Cônego Arnaldo, e à chance de iniciar a promissora – na opinião do Sr. Sílvio, gerente da Agência do Banco Mercantil, em Ribeirão Preto – carreira de bancário, ou, mesmo, à oportunidade de ganhar,  na época, um bom salário,  tornando-me escriturário no antigo e, para mim, tão charmoso Umuarama Hotel, na rua São Sebastião, pertinho do Cine São Paulo, ou, ainda, de me profissionalizar, como jogador de futebol, no Comercial. Na verdade, a única dúvida que me assaltou, à época, foi entre me tornar professor primário ou continuar a carreira religiosa de monge beneditino olivetano… 

Nós – meus pais, uma irmã e um irmão – havíamos mudado de Pedregulho há alguns anos, à busca de trabalho em Ribeirão Preto, onde vi meus horizontes se abrirem. Não me cansava de, fascinado,  admirar – e ser repreendido pelo meu irmão: “não olhe desse jeito, vão achar que você é caipira e que nunca viu prédio” – os edifícios da Rua São Sebastião. Inesquecível a primeira vez em que, a trabalho, tive que ir até o oitavo andar de um prédio e, por medo e incompetência de lidar com o elevador,  fazê-lo, tanto na subida como na descida, por suas escuras escadas.  

No Otoniel Mota, havia um professor, o Dr. Divo Marino,  ligadíssimo em política, que era proprietário de um jornal,  o “A PALAVRA”,  no qual trabalhei por mais de um ano. E se em Pedregulho tínhamos medo de falar ou ouvir as palavras comunista e maconha,  no A PALAVRA ficava face a face com o Luciano Lepera, deputado comunista que não comia criancinhas e, ao contrário, tinha por elas e pelos menos favorecidos uma grande paixão… e com o Márcio, linotipista do jornal, que teimava em me iniciar em tragadas que não as do Continental.   

      Ribeirão Preto era, à sua moda, hoje tenho isso claro, conectada com o que acontecia no país: se em Pedregulho o cinema do Salim se restringia às sessões de quarta, sábado e à matinê de domingo, em Ribeirão eram, só no centro, quatro bons e elegantes cinemas, com sessões noturnas diárias. Havia importantes indústrias sediadas na cidade – o que favorecia um movimento operário forte e atuante – e as  Faculdades de Medicina, Farmácia e Odontologia davam à cidade ares menos provincianos… Enfim, pelo menos para mim, a cidade borbulhava de oportunidades.  

O movimento estudantil, muito ligado à Igreja, era forte. Havia grupos de teatro, grupos de estudo do método Paulo Freire, recitávamos, em coral, o “UM DIA NA VIDA DE BRASILINO” e, no auditório da PRA-7, ouvimos Vinicius de Moraes declamar – ao lado de uma garrafa de whisky – o seu belíssimo Operário em Construção.

 Fui para Registro atuar como professor primário, com a perspectiva de que à escola cabia preparar as crianças para se beneficiarem de uma sociedade mais justa e digna, que, com certeza, estávamos construindo. Era o sonho! Lá pelas onze horas, sob um sol forte e calor imenso, o contra-mestre da Lancha Sete me avisa que o próximo porto era o da Escola da Lagoa Nova, onde eu deveria descer. Parte a lancha e eu permaneço parado, com a mala no chão, indeciso entre vislumbrar sua partida ou me aproximar da escolinha, a vinte metros do rio…Ainda parado, mala e guarda-chuva no chão, quando, do nada, surge um japonesinho: 

            – “É o professor?”

           – “Sim.”

         – “A chave da escola.” 

        Como do nada havia surgido, da mesma forma, o menino se evaporou no meio do bananal.  Entrei na escola, que seria também a minha casa: sala, cozinha com fogão de lenha, um quartinho minúsculo e, claro, a sala de aula propriamente dita. À frente da escola, o Rio Ribeira, aos fundos e à direita, um bananal e, à sua esquerda,  um brejo enorme, chamado pelos locais de pantano – paroxítona – e não pântano –  proparoxítona -,  como eu queria. 

Meia hora depois, surge, outra vez, o japonesinho:

           – “Pai mandou chamar para almoçar.”   

          Fomos. Andamos por um “carreirão” do  bananal por uns quinze minutos e chegamos à casa do senhor Seishum, onde almoço e acerto que seria lá que passaria a ter minhas refeições. Educado, o meu hospedeiro me disse que, naquela semana inicial, pediria à mulher que fizesse o jantar mais cedo, para que eu não tivesse que voltar no escuro: “até se acostumar…depois acostuma.”  

       Mário, o japonesinho, veio me chamar para o jantar. Voltei com dia ainda claro e com um litro de querosene para acender a lamparina.  

      Será que vou ter medo de dormir aqui, tão só?  

      Dia seguinte, logo de manhã, avisadas não se sabe por quem, surgem as crianças pela estradinha que cortava o bananal: vinham descalças, desconfiadas, com suas sandálias havaianas entre os dedos das mãos – chegando no “porto” frente à escola, lavavam seus pés e se calçavam; pelo rio, de canoa, remando vagarosamente, vinham outras crianças, lá dos lados da Guaviruva. 

Iniciei minha vida de professor primário naquela manhã. 

Meu radinho de pilha sintonizava, mal e porcamente, a Rádio Nacional do Rio de Janeiro. Na noite de primeiro de abril, entre chiados, roncos e misturas de estações, tomo conhecimento da Revolução.  Rádios da “legalidade”  se uniam, confusamente, naqueles ermos do Vale do Ribeira,  com as ondas das partidárias da revolução, aumentando a confusão: o que, realmente, estava acontecendo?  

     Providencio pilhas novas com um dos filhos do Senhor Seishum, mas o problema era o impotente radinho e não as pilhas, descubro.  

No dia 15 de abril, aconteceria a reunião mensal dos professores. Numa sexta-feira, a Lancha Sete me leva a Registro, para a reunião, que ocorreria  no sábado. Chego no fim do dia em Registro e vou, desconfiado, à caça de notícias. O fato de ser completamente desconhecido na cidade, em um momento em que prevalecia um clima de desconfiança e “cagüetagem”, dificultou esta minha tarefa.

      À noite, na pensão, um enorme rádio de pilha – potente e perfeitamente sintonizado com rádios de São Paulo – confirmou: todas as esperanças dos últimos anos haviam se acabado, todos os movimentos e grupos com os quais comungava, partilhava idéias, sonhos e princípios haviam sido derrotados…  

  

 

11 Respostas to “1964… A Lancha sete”

  1. antoniomorales Says:

    Orlando,

    Sua mensagem, falando sobre o rádio de pilha, me lembrou do primeiro rádio portátil de pilha que tive, com o qual sintonizava, em ondas curtas, a Rádio Piratininga de São Paulo para ouvir os capítulos da série radiofônica JUVÊNCIO, O JUSTICEIRO DO SERTÃO, a Rádio Nacional do RJ para ouvir JERÔNIMO, O HERÓI DO SERTÃO e seu companheiro MOLEQUE SACI e a Rádio Mayrink Veiga do RJ, para rir com as piadas do Balança mas não cai. Era um “tijolinho” Hitachi japonês com capa de couro comprado de segunda mão, que fazia um sucesso danado com a molecada quando eu o levava para ouvir na praça da Estação Ferroviária. Isso tudo no começo dos anos 60.

  2. Francisco de Moraes Says:

    Eu também ouvia rádio de pilha no sítio onde morava com meus pais até 7 anos, e depois quando lá ficava, até os 23, nos finais de semana. Fui também seguidor das radionovelas do Juvêncio [ ver http://pt.wikipedia.org/wiki/Juv%C3%AAncio ] e do Jerônimo [ver http://www.brazilcomics.hpg.ig.com.br/jeronimo.html ] . Na verdade, eu confundia um pouco os personagens, numa espécie de Samba do Crioulo Doido que também envolvia muita música caipira, que meus pais curtiam muito, incluindo a participação de meu pai e meus tios em festas de catira – ver http://pt.wikipedia.org/wiki/Catira .

  3. Adalberto Amaral Says:

    Fiquei feliz ao navegar pela internet e encontrar este site com relatos de fãs da Radionovela Juvencio o Justiceiro do Sertão.
    Eu que fiz parte do Elenco da Radionovela gostaria de agradecer a voces que acompanharam e gostaram do nosso trabalho.

    Grande abraco
    Adalberto Amaral

  4. Claudio Lemes Says:

    Olá pessoal,
    fico feliz de poder recordar momentos como este.
    Alguém tem alguma idéia de onde encontrar, pelo menos um audio de algum capítulo da novela Juvencio, o Justiceiro do Sertão?
    Abs a todos.

  5. Antonio Morales Says:

    Não sei, Cláudio, mas uma pista seria procurar quem ficou com o acervo da extinta Rádio Piratininga de São Paulo. Talvez o Adalberto Amaral, autor do comentário aí em cima, que fez parte do elenco, saiba.

  6. jose carlos salles Says:

    Alguém sabe sobre o paradeiro de Carlos Vidal da antiga Rádio Piratininga, que nessa época apresentava o Programa SUCESSOS DE ONTEM, HOJE E DE AMANHÃ? e Sobre o Ferreira Neto. Assim como o autor de Juvêncio. Será que ainda estão vivos? Escrevam-me. Tenho saudades imensa dessa época.

  7. carlos eduardo Says:

    Sou filho do Carlos Vidal, e infelizmente ele faleceu em agosto de 2003. Deixou muitas saudades a todos nós seus filhos e amigos. Obrigado pela lembrança,e nós também sentimos muias saudades daqueles tempos de glória do rádio brasileiro.

    • jose carlos salles Says:

      Desculpe-me. Eu não sabia. Que Deus o tem em um bom lugar. Pois é, eu era fã de seu Pai, mesmo sem tê-lo conhecido, aliás nem sei com ele era, mas eu ouvia o seu programa todos os dias. Depois daquela época, nunca mais tive conhecimento sobre seu paradeiro, mas não me esqueço de seus maravilhosos programas. Caso você tenha alguma coisa gravada, ou até mesmo o seu histórico, gostaria de receber alguma coisa nesse sentido. Escreva-me para jocasanew@bol.com.br. Obrigado.

  8. Janos Dizah Couto Says:

    Olá!
    Será que é possível descobrir que ficou com o acervo da Rádio Piratininga? Gostaria de tentar encontrar o audio da telenovela “Juvêncio, o Justiceiro do Sertão”. Vocês podem me passar o contato do Sr Adalberto Amaral?
    Obrigado.

  9. joao Says:

    preciso de um audio da radionovela juvencio o justiceiro do sertao

  10. joao Says:

    Será que é possível descobrir que ficou com o acervo da Rádio Piratininga? Gostaria de tentar encontrar o audio da telenovela “Juvêncio, o Justiceiro do Sertão”. Vocês podem me passar o contato do Sr Adalberto Amaral?
    Obrigado.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: