Sobre Resistência e Grades

by

Livro de Maurice Politi conta a história da greve de fome realizada pelos presos políticos em 1972

Por Rui Veiga

A violência de Estado contra o cidadão brasileiro, preconizada dentro do espírito da Doutrina de Segurança Nacional, constituiu-se em prática cotidiana dos Governos Ditatoriais Cívis-Militares instalados no Brasil em 1964, processo aprofundado após a promulgação do AI – 5 em dezembro de 1968. Mais que isso, pôs nua a falácia dos principais argumentos de que em nosso país as questões políticas sempre se resolveram através do diálogo.

Uma das facetas repressoras do mencionado estado ditatorial, que sempre tratou questões políticas e sociais lançando mão do polinômio: forças armadas, polícia, aparatos paramilitares e burocracia, está representada no agora lançado livro de Maurice Politi: “Resistência Atrás das Grades” (publicação conjunta do Núcleo de Preservação da Memória Política – Núcleo Memória) e da Editora Plena, São Paulo, 208 páginas + capas, R$ 25,00).

Esse livro conta um episódio pouco conhecido da resistência à ditadura militar, fato este ocorrido no ano de 1972. Apesar do longo tempo decorrido desde então, a obra de Politi está muito distante de ser uma peça meramente histórica e conivente com o senso comum da índole pacífica da luta política neste país. E, muito menos se coloca como um mosaico de reflexões revanchistas ou saudosista sobre aquele passado. Principalmente, porque este texto revela ao leitor uma forma de luta sucedida dentro das prisões do regime militar, que tinha como foco a contestação a repressão política do estado ditatorial.

O episódio – reitera-se – é praticamente desconhecido para a maioria do público. Trata-se de uma batalha política contra um Estado, cujos alicerces se assentavam na tortura, na prisão e na morte de cidadãos, que se recusavam a compartilhar com a natureza violenta e ditatorial e se calar diante da opressão. Sistema que se implantara em nosso país em 1964 e aprofundou-se (expressão cunhada pelo então ministro da fazenda senhor Delfim Netto em seu voto a favor da implantação do AI – 5 em 13 de dezembro de 1968).

A greve de fome, peça central deste livro, deflagrou-se de surpresa nos idos de 72 entre os presos políticos de São Paulo, de forma muito bem organizada. Inclusive, talvez seja a primeira forma de luta conjunta utilizada contra a ditadura nas prisões naqueles tempos. Essa ação foi fruto da ação de um grupo grande de presos políticos condenados a longas penas, que estiveram até então confinados no Presídio Tiradentes em São Paulo (uma das muitas masmorras da Ditadura Militar) e foram transferidos para outra prisão.

O gesto extremo de protesto se deu em função da política consciente do regime militar em separar os presos considerados “recuperáveis” daqueles que a ditadura achava que eram “terroristas e sem perspectiva de recuperação para a “sociedade” a terem sua transferência à Penitenciária Regional de Presidente Venceslau, situada no extremo oeste do Estado, a 700 km da capital. Alguns dos seis presos transladados* permaneceram em Presidente Venceslau até 1976.

“Resistência Atrás das Grades” resgata com precisão de um arqueólogo, fatos históricos que, embora presentes nas mentes de muitos brasileiros, sistematicamente foram varridos e esquecidos nestes quase 40 anos transcorridos desde 1972. Período no qual a pasteurização cultural trazida pela onda da modernidade conservadora produto da globalização tentou – sem sucesso – apagar todos os sinais das lutas de resistência aos governos militares do conhecimento das gerações posteriores, que não viveram aqueles tempos.

À época dos fatos narrados no livro, o autor, um jovem militante da Ação Libertadora Nacional (ALN), que havia sido torturado no Dops e na OBAN em São Paulo, estava preso e condenado a dez anos de prisão. O texto construído na obra é uma peça de história viva e supera e muito a grande maioria dos escritos, que abordam a temática sobre o período pós AI – 5. Essa superação se dá em conseqüência da forma da narrativa e de seu conteúdo, que combina o lado político e os vieses emocional e humano de uma luta contra a repressão ditatorial vigente durante o Governo Médici (1969-1974).

O livro não possui um texto rebuscado, repleto de figuras de linguagem e, tampouco, estará ao gosto de alguns críticos literários (ditos isentos!!??), que em sua sanha diária de apagar as memórias políticas dos anos de então, prestam notórios serviços à desinformação e à alienação deste público brasileiro, ansioso em conhecer sua história política recente.

“Resistência Atrás das Grades” está escrito em um texto direto, totalmente baseado no depoimento direto de um jovem militante prisioneiro e, igualmente, se baseia solidamente sobre documentos da época – alguns destes inéditos e preciosos para a reconstituição daquele momento – recolhidos em diversos arquivos históricos consultados pelo autor. A estrutura narrativa é retirada do próprio manuscrito redigido por Maurice Politi ainda no calor do embate e abrange o período, que se inicia com a eclosão do movimento grevista: 12 de maio de 1972 até seu encerramento em 11 de julho do mesmo ano. Em 9 de junho, os seis presos foram transferidos presídios indo de São Paulo para o Interior. Contém também algumas páginas complementares de escritos da época, porém já quando a greve se encerrara, após os presos que lá se encontravam haverem sido integrados à população carcerária comum.

O que apaixona em “Resistência Atrás das Grades” é seu caráter documental elaborado sem preocupações com estilo e linguagem, mas preocupado primordialmente em registrar o momento da luta, seu calor e os fatos que se sucediam. Consiste em um texto sem qualquer outra preocupação que não a de deixar um testemunho dos acontecimentos dentro dos cárceres paulistas durante a ditadura militar. Inclusive, pelo fato do autor (e os demais participantes do movimento) naquele período não ter qualquer certeza sobre seu futuro e sua própria vida, porque a contestação ao governo militar em muitas outras ocasiões assassinara e torturara centenas de brasileiros.

Desse modo, temos na obra muito mais que uma preocupação literária ou historicista. No contexto desenvolvido, sente-se uma narrativa, que procura testemunhar na voz de um ator, o próprio Politi, em primeira pessoa, os passos de uma luta política, que apesar de todas as condições desfavoráveis a seus participantes, resultou felizmente vitoriosa.

A escrita do autor naquele período, talvez em uma mescla de impulsividade com a necessidade do registro momentâneo revela-se igualmente um documento histórico imprescindível para pesquisadores, estudiosos e cidadãos, que queiram conhecer as entranhas de uma ditadura, que se julgou por um tempo onipresente e onisciente.

O texto reflete os sentimentos fortes, as emoções e os naturais receios sobre as conseqüências que os presos rebelados poderiam sofrer nas mãos dos seus carcereiros: juízes militares (como o sinistro Nelson Machado Guimarães); militares e policiais torturadores; guardas de prisão e médicos coniventes com o sistema carcerário vigente. Não se pode esquecer a presença de uma imprensa praticamente cúmplice da Ditadura. Aliás, esta em seu afã de defender a opressão instaurada reproduzia periodicamente em suas páginas, matérias, informes publicitários e artigos criminalizando os revoltosos e os opositores ao regime.

Neste último aspecto, o livro de Politi apresenta também um caráter testemunhal da sociedade política (no sentido a esta oferecido por Antonio Gramsci em seu renomado escrito intitulado “Cadernos do Cárcere”). A versão e a óptica áulica sobre a ditadura por parte da imprensa pode ser constatada em edito reproduzido e estampado integralmente no livro de Políti à página 181, em editorial do jornal da Ditabranda (perdão leitores, quero dizer da Folha de S. Paulo), que “demonstrava” a inexistência de presos políticos no país de Médici, de Delfim Netto, do banqueiro Gastão Bueno Vidigal, de Fleury, de Ustra** e outros do mesmo nível. Escrevia assim àquela época (30 de junho de 1972) o jornal dos senhores Octávio Frias de Oliveira e Carlos Caldeira Filho (também dois dos aliados de primeira hora do Golpe Militar de 1964):

“Ninguém neste país ignora também haver, ainda que tão minoritário, que inexpressivo, um pensamento contrário ao Governo e à Revolução…”. Os termos governo e revolução eram eufemismos pelos quais os adeptos da ditadura camuflavam o caráter repressivo do Governo Médici.

Felizmente a bem da verdade, da história e para os nossos tempos, o livro de Politi desmente na prática tal assertiva tão conforme com os paradigmas dos arautos daquele Poder.

* Os sete presos que seriam transferidos eram: Frei Fernando de Britto, Frei Yves do Amaral Lesbaupin, Frei Carlos Alberto Libânio (o Frei Betto), Mário Bugliani, Vanderlei Caixe, Manoel Porfírio de Souza e Maurice Politi. A ordem de transferência foi assinada pelo juiz Nelson da Silva Machado Guimarães da II Auditoria Militar de São Paulo em 7 de junho de 1972. Mário Bugliani por estar muito doente teve sua transferência comutada.

**Refere-se ao militar comandante da Operação Bandeirante em São Paulo, Major Carlos Alberto Brilhante Ustra, um dos principais torturadores do período repressivo.

Rui Veiga é jornalista e crítico literário

Tags: , ,

Uma resposta to “Sobre Resistência e Grades”

  1. brunobisogni Says:

    Queria lembrar a todos que hoje faz 41 anos da promulgação do AI 5 e que para podermos discutir criei o twitter quem quiser me seguir será bem vindo

    naumaoai5 esse é o twitter meu email é

    brunobisogni@gmail.com

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: