1969 – O Teatro perde Cacilda Becker

by

 

Parece que nos útimos dias, o blog inclina-se para o teatro. Também está de luto com a morte de Boal. Coisas fortes como essa parecem criar um viés imaginativo, senão energético. Procurando por um registro do dia 6 de maio de 1969, deparo-me com um texto que fala da morte de Cacilda Becker. Já que o tema é teatro e o penúltimo registro de morte, vai lá:

14 June, 2008 | Posted by: lucyannemano

Jornal do Brasil: Sábado, 21 de junho de 1969 - página 5

Cacilda morreu. O teatro, aqui mais do que qualquer das outras artes, é ingrato, pois não nos oferece sequer a possibilidade da retrospectiva que o cinema usa para honrar seus mortos. A cada um de nós, individualmente, a lembrança de Cacilda no palco poderá enriquecer ainda, e por muito tempo. Mas não poderemos oferecer às novas gerações a mesma experiência. E elas serão mais pobres por isso…
Não nos será mais possível, em nossos momentos de luta, contar com seu entusiasmo, com o brilho de seu olhar ou com o calor de sua emoção, ou a força de sua coragem. E nós seremos mais pobres por isso
“.
Barbara Heliodora

O teatro brasileiro perdeu um de seus maiores expoentes de todos os tempos. A atriz paulista Cacilda Becker Yáconis, 48 anos, saiu prematuramente de cena, no auge da sua capacidade criadora, quando tudo levava a crer que ultrapassaria, nos futuros desempenhos, tudo que havia feito até então. Morreu após 38 dias de internação num quadro irreversível de derrame cerebral.

Primeira página do Jornal do Brasil: Quinta-feira, 8 de maio de 1969.

Quando tudo parecia definitivo, Cacilda Becker surpreendia com uma atitude inovadora, uma posição vanguardista, uma interpretação inesperada. Assim firmou-se fazendo da sua vida o teatro, e do teatro a sua vida. Exemplo de coragem, lucidez e intrépido espírito em defesa da cultura brasileira, atuou incansavelmente. Nem tudo foi fácil, nem tudo foi certo. Apenas verdadeiro. Se para o grande público o reconhecimento advinha da excelência da sua interpretação, ela foi decisiva para o amadurecimento da consciência profissional da classe teatral. Colocou-se aguerrida a serviço da arte dramática. Desgastou-se fisicamente, prejudicou-se economicamente, mas foi audaz até o fim na integridade e na dignificação do teatro brasileiro.

 

Jornal do Brasil: Espetáculo Esperando Godot. Caderno B, página 5

O súbito fim do último espetáculo
Uma Cacilda Becker maltrapilha, ou Estragon, personagem de Samuel Beckett, olha para seus pés machucados e geme, e a dor que quer transmitir parece ser sentida por todo o público. Walmor Chagas, ou Wladimir, também um mendigo, aparece, e se une a ela para juntos fazerem o que a platéia do teatro sabe ser absurdo, mas que não deixa de comovê-la, todas as noites: Esperar Godot. No fim do primeiro ato do espetáculo, no dia 6 de maio de 1969, Vladimir pergunta: “Então, vamos?” Estragon responde: “Vamos”. E a luz se apaga. Cacilda sai de cena para o intervalo, sente-se mal, e não volta mais aos palcos.

Tags: , , , , , , , , ,

2 Respostas to “1969 – O Teatro perde Cacilda Becker”

  1. antoniomorales Says:

    Para mim, o teatro é uma arte poderosa que muitas vezes mexe fundo com nossa consciência, visões de mundo e daquilo que Balzac chamou de A COMÉDIA HUMANA, título de sua obra máxima.

    Claro que isso depende da qualidade do texto e do espetáculo em todos os sentidos, mas depende também e fundamentalmente do espectador e suas necessidades de predisposições.

    De minha parte posso dizer, sem medo de errar, que dois espetáculos teatrais mexeram muito comigo quando ainda um jovem universitário na década de 60.

    A VIDA DE GALILEU, de Brecht, encenada no Teatro Oficina, em São Paulo em 1969 e O BALCÃO, encenada no Teatro Ruth Escobar totalmente reestruturado para a peça, em 1970, também em São Paulo. Ambos impactantes e por isso, para mim inesquecíveis!

    Considero que a década de 60 foi marcada pela força do teatro “engajado” politicamente no sentido amplo da palavra. E que mais posts sobre essa poderosa e iluminadora arte seriam benvindos no blog.

  2. Fique por dentro Teatro » Blog Archive » 1969 - O Teatro perde Cacilda Becker « Arquivo68 Says:

    […] senão energético. Procurando por um registro do dia 6 de maio de 1969, … fique por dentro clique aqui. Fonte: […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: